quarta-feira, 13 de junho de 2018

Te desejo vida - Flavia Wenceslau



Eu te desejo vida, longa vida
Te desejo a sorte de tudo que é bom
De toda alegria, ter a companhia
Colorindo a estrada em seu mais belo tom

Eu te desejo a chuva na varanda
Molhando a roseira pra desabrochar
E dias de sol pra fazer os teus planos
Nas coisas mais simples que se imaginar
E dias de sol pra fazer os teus planos
Nas coisas mais simples que se imaginar

Eu te desejo a paz de uma andorinha
No voo perfeito contemplando o mar
E que a fé movedora de qualquer montanha
Te renove sempre e te faça sonhar

Mas se vier as horas de melancolia
Que a lua tão meiga venha te afagar
E que a mais doce estrela seja tua guia
Como mãe singela a te orientar

Eu te desejo mais que mil amigos
A poesia que todo poeta esperou
Coração de menino cheio de esperança
Voz de pai amigo e olhar de avô

quarta-feira, 6 de junho de 2018

O Amor

O amor nao prende 
O amor é elo
Nao é corrente

Amor não é gaiola
Amor é liberdade 
Nele há toda a imensidão 
Nele nao há grade

O amor é lindo
O amor nao causa DOR
Se você sofre por ele
Ja deixou de ser Amor

Reveja esse sentimento 
Não sofra por essa dor
Tem um mundo inteiro la fora 
Querendo te mostrar o AMOR

O amor esta por ai 
Nas coisas simples do dia a dia
Não naquela pessoa que nem ao menos te da bom dia

O amor esta em você 
Nunca deixe na mao de ninguém 
Pois se um dia a pessoa partir 
E leva-lo com ela também 
Você ficara mal
Voce ficará doente
Porque sem amor na vida
O que sobra pra gente?

Então se faça amor
Se ame em primeiro lugar
E todo aquele que vier
Na sua vida entrar 
Vai ser uma linda história de amor 
Até o dia que durar

Lucky🍃✏

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, óculos de sol e texto

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Respeito - Ana Mari



Quatro pontos tem a minha religião

faço deles a minha filosofia e faço deles a minha ação

viva, creia, ame e faça,

essa também é minha oração,

viva sua filosofia, ame a sua arte
,
creia na sua religião e faça a sua parte,

mas não use sua religião pra tentar reprimir o outro,

somos sete bilhões de mentes no mundo e

querer que todo mundo creia na mesma coisa 

é no mínimo papo de louco.

Eu respeito todos que tem fé,

eu respeito todos que não a tem,

eu respeito quem crê em um Deus,

eu respeito quem não crê em ninguém.

eu gosto de que tem fé no verso,

eu gosto de quem tem fé em si mesmo,

eu gosto de quem tem fé no universo,

e eu gosto dos que anda a esmo.

um abraço pra quem é da ciência,

um abraço pra quem é de Deus,

um abraço pra quem é da arte,

e um abraço pra quem é ateu.

axé pra quem é de axé, amém pra quem é de amém,

blessed pra quem é de magia,

e amor pra quem é do bem.

intolerância religiosa é a própria contradição,

religião vem do latim religare que significa união,

então pare de dividir o mundo 

entre os que vão e os que não vão para o paraíso,

o nosso mundo tá doente em tudo 

enquanto nos perdemos tempo brigando por isso,

ao invés de dividir as religiões 

entre as que são do mal e as que são do bem,

que tal botar sua ideologia no bolso e ajudar aquele moço 

que de frio morre na rua desamparado e sem ninguém,

os grandes mestres já disseram que precisamos de união, 

então porque não fazer do respeito também uma religião.


texto by: Revista Senso


Imagem relacionada

Intensidade


Resultado de imagem para Carol Shanti


"Hoje sei quem eu sou! 

Amanhã? 

Eu me reinvento.


Borboleta por natureza, 

sou adepta à transformações. 


Minha alma tem sede 

de liberdade e ousadia.


Aprendi a não me deixar 

vencer pelo cansaço 

e sim encontrar nele 

o impulso necessário 

para as minhas vontades.


Mergulho em minhas profundezas 

e coloquei a palavra 

Intensidade 

em meu sobrenome." 



- Carol Shanti 

sábado, 28 de abril de 2018

A responsabilidade por "estar no mundo"

" Mais uma vez fui invadido por uma onda de orgulho e vaidade, e quis argumentar, dizendo que Don Juan estava errado. Fez-me sinal para me calar.

- A gente deve assumir a responsabilidade por estar num mundo fantástico- disse ele. - Estamos num mundo fantástico, sabe.

Concordei com a cabeça.

- Não estamos falando da mesma coisa- disse Don Juan.

- Para você, o mundo é fantástico porque, se não está entediado com ele, está com raiva dele. 

Para mim o mundo é fantástico porque é estupendo, assombroso, misterioso, insondável; 

meu interesse tem sido convencê-lo de que você deve assumir a responsabilidade de estar aqui, nesse mundo maravilhoso, neste deserto maravilhoso, nessa época maravilhosa. 

Queria convencê-lo de que deve fazer todos os atos contarem, já que só vai ficar aqui pouco tempo; 

na verdade, tempo de menos para presenciar todas as maravilhas desse mundo.

Insisti que ficar entediado com o mundo ou ter raiva dele fazia parte da condição humana.

- Então modifique-a - respondeu Don Juan, secamente.

- Se você não reagir a esse desafio, mais vale estar morto."

Resultado de imagem para viagem a ixtlan online



quinta-feira, 12 de abril de 2018

Tú me quieres blanca - Revista Aluvião - Alfonsina Stoni (1892-1938) -

Tú me quieres alba,
Me quieres de espumas,
Me quieres de nácar. 
Que sea azucena
Sobre todas, casta. 
De perfume tenue. 
Corola cerrada.
Ni un rayo de luna
Filtrado me haya. 
Ni una margarita
Se diga mi hermana. 
Tú me quieres nívea,
Tú me quieres blanca,
Tú me quieres alba.
Tú que hubiste todas
Las copas a mano,
De frutos y mieles
Los labios morados. 
Tú que en el banquete
Cubierto de pámpanos
Dejaste las carnes
Festejando a Baco. 
Tú que en los jardines
Negros del Engaño
Vestido de rojo
Corriste al Estrago. 
Tú que el esqueleto 
Conservas intacto
No sé todavía
Por cuáles milagros,
Me pretendes blanca 
(Dios te lo perdone)
Me pretendes casta
(Dios te lo perdone)
¡Me pretendes alba!
Huye hacia los bosques;
Vete a la montaña;
Límpiate la boca;
Vive en las cabañas;
Toca con las manos
La tierra mojada;
Alimenta el cuerpo
Con raíz amarga;
Bebe de las rocas;
Duerme sobre escarcha;
Renueva tejidos
Con salitre y agua;
Habla con los pájaros
Y lévate al alba. 
Y cuando las carnes
Te sean tornadas,
Y cuando hayas puesto
En ellas el alma
Que por las alcobas
Se quedó enredada,
Entonces, buen hombre,
Preténdeme blanca,
Preténdeme nívea,
Preténdeme casta.
Tu me queres alva,
Me queres de espuma,
Me queres de nácar.
Que seja açucena
Sobre todas, casta.
De tênue perfume.
Corola cerrada.
Nem um raio de lua
Filtrado me haja.
Nem uma margarida
Se diga minha irmã.
Tu me queres niveal,
Tu me queres branca,
Tu me queres alva.
Tu que tiveste todas 
As copas à mão,
De frutos e méis
Os púrpuros lábios.
Tu que no banquete
Prataria de folhas
Deixaste as carnes 
Festejando a Baco.
Tu que nos jardins
Obscuros do Engano
Vestido de vermelho
Correste aos Destroços.
Tu que o esqueleto
Conservas intacto
Não sei todavia 
Por quais milagres,
Me pretendes branca
(Deus te perdoe)
Me pretendes casta
(Deus te perdoe)
Me pretendes alva!
Foge até os bosques;
Vê a montanha;
Limpa a boca;
Vive nas cabanas;
Toca com as mãos
A terra molhada;
Alimenta o corpo
Com raiz amarga;
Bebe das bicas;
Dorme ao sereno;
Renova tecidos
Com salitre e água;
Fala com os pássaros
E nasce ao amanhecer.
E quando às carnes
Retornares,
E quando colocares 
Nelas a alma
Que pelas alcovas 
Ficara perdida,
Então, bom homem,
Exija-me branca,
Exija-me niveal,
Exija-me casta.

Alfonsina Stoni (1892-1938)


*Sarita Borelli é pós-graduada em Design Editorial pelo Senac, graduada em Letras pela Universidade de São Paulo, designer, editora responsável pela Editora Gota e idealizadora da Revista Aluvião.

Resultado de imagem para Revista Aluvião.

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

O Príncipe Encantado

Resultado de imagem para once upon a time

Ouvi contar...

Era uma vez um príncipe

encantado ele foi por toda uma vida

mas desencantado ficava, vez por outra.

Quando o pequeno se encantava ele percebia brilho e beleza

onde quer que fosse tudo era bom e sereno e maravilhoso

Quando desencantado estava o príncipe

nada havia que bastasse para alegra-lo,

não havia beleza e não havia bondade.


 Um dia ele foi embora, foi procurar um mundo onde pudesse sempre ser encantado


a Dor e o Sofrimento desencantavam o pequeno príncipe

a Maldade matava a luz e a beleza do mundo pensava o pequeno


Ele andou, andou e andou; correu mundo, conheceu lugares, viu gentes


havia tanta beleza por ai afora, havia brilho, havia calor humano

mas também havia escuridão, céu sem estrelas, havia maldade, inveja

e o principezinho adoeceu de desencantamento.


O tempo passou...

Ele cresceu...

E hoje em dia o pequeno príncipe pode ser encontrado em qualquer lugar

em qualquer lugar onde haja alguém desencantado

ele rapidamente aparece

e o encanto dele deixa todos encantados, cheios de esperança

e o mundo se encanta dele e com ele se encanta.


VSO.

ATOS, 19, Janeiro 2018